nova plataforma da cobrança boletos

Saiba como a Nova Plataforma da Cobrança vai afetar a emissão de boletos

Em julho de 2017, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) começou a implantar a “Nova Plataforma da Cobrança”. Por enquanto, esse novo sistema se aplica apenas para boletos de valor igual ou superior a R$ 50 mil, mas até o fim do ano deverá valer para boletos de todos os valores (leia mais na tabela abaixo). Essa medida será o fim dos boletos sem registro como conhecemos hoje.

 

Todos os boletos com valor:

Data de início de validação

Igual ou acima de R$ 50.000,00

10.07.2017

Igual ou acima de R$ 2.000,00

11.09.2017

Igual ou acima de R$ 500,00

09.10.2017

Igual ou acima de R$ 200,00

13.11.2017

Boletos de todos os valores

11.12.2017

Mas, afinal, o que é a “Nova Plataforma da Cobrança”? Como ela vai afetar a emissão de boletos? Com a implantação do sistema cada vez mais próxima, esse conhecimento é essencial para uma boa gestão empresarial, então saiba como se preparar e sair na frente nesse período de mudança.

O que é a “Nova Plataforma da Cobrança”?

Desde 2013, a Febraban prepara o projeto “Nova Plataforma da Cobrança”, uma mudança na forma de lidar com os pagamentos envolvendo transações bancárias. Segundo a federação, o objetivo é “aperfeiçoar o modelo atual com mecanismos que trazem mais controle e segurança a esse meio de pagamento”.

De acordo com a Febraban, o boleto é uma das formas de pagamento mais usadas no Brasil. Anualmente são pagos cerca de 3,7 bilhões de boletos bancários no País. Com um movimento tão grande, a federação sentiu a necessidade de modernizar.

A Febraban indica uma série de benefícios que esse novo sistema apresenta, como a redução de fraudes, redução das inconsistências nos pagamentos e a possibilidade de pagar boletos vencidos em qualquer agência bancária – sem precisar emitir 2ª via (leia mais sobre a Nova Plataforma com informações da própria Febraban, através do link https://goo.gl/ye9Lcj.

Mas para que o sistema consiga isso tudo, a Nova Plataforma vai extinguir o modelo de boletos sem registro como os empresários conhecem hoje, já que exigirá mais dados e integração dos boletos em um mesmo sistema.

Boletos com registro X Boletos sem registro

Boletos sem registro são aqueles que não são registrados no sistema do banco e são emitidos pela própria empresa (cedente). Esse modelo apresenta algumas vantagens, como o fato de que a única taxa que a empresa vai pagar ao bando é relativa à quitação do boleto. Dessa forma, se o cliente não fizer o pagamento – como acontece frequentemente no comércio eletrônico – o serviço não será taxado.

Outra vantagem é que em certas situações, a empresa pode alterar valores e prazos de acordo com a necessidade, sem que o banco tenha que participar do processo, o que o deixa mais fácil.

Já o boleto com registro perde essa flexibilidade, valor e prazo limite devem ser fixados, assim como deve ser identificado o sacado, com CPF e CNPJ. Todas as informações devem ser disponíveis ao banco. Além disso, o documento também está sujeito a mais taxas, o que deixa o processo mais caro.

Por outro lado, a empresa terá maior controle sobre os boletos, poderá conferir pagamentos sempre que necessário. Caso o serviço seja prestado ou a mercadoria entregue, mas o cliente não pague o boleto, é possível protestar em cartório.

Sabendo disso tudo, fica fácil compreender por que um dos pontos mais controversos do novo sistema é o fim do boleto sem registro. Clientes que acostumaram operar com a flexibilidade e economia (apesar da falta de controle) do boleto simples, deverão mudar para se adaptar ao registrado. A Febraban informa: “Clientes que operam na modalidade sem registro serão contatados pelo seu banco de relacionamento para registrarem seus boletos de pagamento visando o preparo para a nova plataforma”.

A Febraban ainda afirma que o boleto sem registro pode continuar a existir, mas de forma mais limitada. Além disso, nada garante que esse modelo continue permitido por muito tempo.

Como se preparar para a mudança

Mesmo para os empresários que não emitem boletos de R$ 50 mil ou mais, o momento para adaptar-se a mudança é agora. Em breve todos deverão trabalhar no novo sistema, então quem estiver preparado vai sair na frente.

Munido das informações presentes aqui, o empresário deve agora entrar em contato com seu banco de preferência para alterar os boletos que ainda tem a receber de seus clientes. Depois disso, é preciso adaptar sua gestão às novas taxas e formas de emissão e recebimento de boletos. Um trabalho que pode ser bastante dispendioso.

Por isso, a transição vai ser fácil para quem trabalha com um sistema de gestão de qualidade, preparado para essa situação. O Bravo E.R.P, é um software de gestão empresarial preparado para abrir esse caminho. O sistema tem gestão integrada, é rápido e intuitivo, além de apresentar diversas outras funcionalidades. Se estiver na dúvida, experimente o sistema por um período de 15 dias de teste gratuito, é só entrar em contato pelo telefone (46)3055-3306, pelo e-mail falecom@bravologic.com.br ou pelo próprio site da Bravologic.

 

Experimente grátis o Bravoerp